2 de novembro de 2016

Encerramento da 40ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo

Encerramento da 40ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo

Na quarta-feira 2 de novembro, o Auditório Ibirapuera será palco do encerramento da 40a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. Na ocasião, o público da plateia externa irá assistir à cópia restaurada do clássico A General (1926), de Buster Keaton e Clyde Bruckman.

Durante a exibição, que será realizada às 20h30, a Orquestra Juvenil Heliópolis toca ao vivo a nova trilha sonora do filme [leitura que faz sua estreia no evento], sob regência de seu autor, o maestro e compositor americano Robert Israel. A sessão de cinema será precedida pela cerimônia de premiação desta edição da Mostra, que acontece às 19h30.

A General é um dos maiores sucessos da carreira de Buster Keaton (1895-1966), que, além de ser codiretor da obra, atua como protagonista no papel do maquinista Johnnie Gray, ao lado de Marion Mack, Glen Cavender, Jim Farley e Charles Henry Smith. O longa-metragem silencioso é ambientado no começo da Guerra de Secessão (conflito civil que aconteceu de 1861 a 1865 nos Estados Unidos, entre estados do norte e estados do sul).

Na película, assim que a guerra começa, Johnnie Gray corre para se alistar, numa tentativa de impressionar a namorada, Annabelle Lee (personagem de Marion Mack). Como ele não é aceito para lutar, já que as autoridades o consideram mais útil como engenheiro da ferrovia, a garota pensa que Johnnie é um covarde. Nesse momento, sua locomotiva e Annabelle são sequestradas por espiões da União, e o maquinista tem a missão de salvá-las.

As aventuras do personagem pela ferrovia marcaram a trajetória artística de Keaton, que protagoniza sequências de ação coreográficas. Tudo na companhia de sua principal marca: o rosto melancólico e impassível, que o tornou conhecido como “o palhaço que não ri”. O artista é considerado ainda um dos grandes gênios da comédia muda, ao lado de Charlie Chaplin e Harold Loyd.

Sobre Robert Israel
Nasceu em Los Angeles (Estados Unidos) em 1963. Fez sua estreia profissional aos 18 anos, poucos meses após iniciar os estudos formais de piano e órgão. Em mais de três décadas de carreira, apresentou-se em diversos locais – como a Galeria Nacional de Arte (Washington), o Museu d’Orsay (Paris) e a Praça Maggiore (Bolonha). Além de performances ao vivo como maestro, compõe trilhas sonoras para filmes mudos, como Fantasma (1922), de F. W. Murnau, O Maricas (1924), de Fred C. Newmeyer, e Sam Taylor, Marinheiro por Descuido (1924), de Donald Crisp e Buster Keaton. Criou ainda canções para obras televisivas, como o curta Chaplin Hoje: o Circo, de François Ede, e a série Biografias, do canal A&E.

Sobre a Orquestra Juvenil Heliópolis
Formada por 60 instrumentistas, a Orquestra Juvenil Heliópolis (OJH) alia a jovialidade de seus músicos, com idade entre 14 e 25 anos, à maturidade e ao conhecimento adquirido de seus professores e de seu regente titular, Edilson Ventureli. Criada em 2009 e mantida pelo Instituto Baccarelli, a orquestra está comprometida em promover a democratização do acesso à música de concerto, missão que já levou o grupo a importantes eventos e palcos – como Sala São Paulo, Theatro São Pedro e Centro Cultural São Paulo (CCSP).

  • Dia:

    quarta 2 de novembro de 2016

  • Horários:

    às 19h30 | cerimônia de premiação e às 20h30 | exibição do filme

  • Duração:

    90 min (aproximadamente)

  • Ingressos:

    Gratuito. Plateia externa

  • Classificação Indicativa:

    livre para todos os públicos

  • bilheteria

2019 Auditório Ibirapuera - Alguns direitos reservados