sexta 20 de abril de 2018

Dingo Bells

Dingo Bells

Foto: Rodrigo Marroni

Eles despontaram na cena musical brasileira em 2015, diretamente de Porto Alegre, com Maravilhas da Vida Moderna (independente), o seu álbum de estreia, e recebendo elogios da crítica especializada. Agora, o trio, formado pelos músicos gaúchos Diogo Brochmann (voz e guitarra), Felipe Kautz (voz e baixo) e Rodrigo Fischmann (voz e bateria), sobe ao palco do Auditório Ibirapuera para fazer o show de lançamento de Todo Mundo Vai Mudar (2018, Natura Musical), o segundo da carreira.

Acompanhados pelo guitarrista e arranjador Fabricio Gambogi – parceiro nas composições do disco – e por um naipe de sopros formado pelos instrumentistas Adriano Caneta (saxofone), Diogo Duarte (trompete) e Douglas Antunes (trombone), o trio apresenta novas músicas, além de hits do seu repertório, como “Dinossauros” e “Eu Vim Passear”.

“Nós conhecemos o Fabricio quando ainda estávamos na escola de música. Sempre tivemos gostos semelhantes”, conta Felipe Kautz. “Queríamos adicionar mais um guitarrista à banda, por uma demanda artística mesmo e, há cerca de cinco anos, chamamos o Fabricio para participar. Ele é responsável também por todos os arranjos de sopros dos nossos dois discos. Nesse último, participou do processo de composições.”

Todo Mundo Vai Mudar traz dez faixas autorais que exploram diferentes formas de mudança – como interna, de comportamento e de tratamento –  e fala ainda de temas como dificuldade de comunicação, processo de resiliência e adaptação a novos cenários. O baixista explica que o trabalho reflete a evolução artística pela qual a banda vem passando nos últimos anos.

“Esse disco tem uma sonoridade pop, mais brasilidade, mais groove e um pouco mais de estranhamento também quando comparado ao Maravilhas da Vida Moderna”, fala Felipe. “Ele traz um trabalho de vozes mais aprofundado, o naipe de sopros com uma sonoridade mais amalgamada nas músicas”, diz. “Acho que ele é uma evolução no sentido que nós nos permitimos, de fato, dar mergulhos mais profundos nas coisas que já explorávamos.”

A apresentação conta com interpretação na Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Compre aqui o seu ingresso.

 

 

 

  • Dia:

    sexta 20 de abril de 2018

  • Horários:

    às 21h

  • Duração:

    90 minutos (aproximadamente)

  • Ingressos:

    R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)

  • Classificação Indicativa:

    livre para todos os públicos

  • bilheteria

2018 Auditório Ibirapuera - Alguns direitos reservados