sexta 14 de setembro de 2018

Corciolli

Corciolli

Foto: Lucio Cunha

A primeira lembrança, aquela mais antiga, que Corciolli guarda em relação à música clássica é o conjunto de LPs de sua mãe: Bach, Beethoven, Tchaikovsky, Schubert, Rossini, entre outros nomes.  O “Concerto Brandeburguês Nº 3”, de Bach, era o seu favorito. A fruição de tais discos foi a faísca para que o garoto ampliasse os sentidos – de seu ser e de sua trajetória. Hoje, consagrado, festeja 25 anos dedicados à inteireza do som. Na apresentação, mostra faixas dos álbuns Unio Mystica (1995) e Unio Celestia (1999), além de temas inéditos que integrarão o próximo trabalho. Acompanhado pelos músicos Raiff Dantas Barreto (violoncelo), Pablo de León (violino), Kabé Pinheiro (percussão) e Gracieli Valverde (voz soprano), o anfitrião recebe ainda Andre Matos, vocalista da banda Shaman e ex-membro do grupo Angra. É ao lado de parceiros e com uma narrativa frondosa que Corciolli busca atingir o que há de profundo em cada ouvinte.

Mas o que existe no íntimo do ser? “Uma conexão sagrada com o divino que habita em nós todos”, responde o compositor ao definir a sua procura. “Quando expresso quem sou, artisticamente falando, conecto-me com cada um que me ouve. E posso ouvi-los de volta, de alguma forma misteriosa e unificadora. O mundo nunca precisou tanto de boa música como agora”, reflete o tecladista, que, apaixonado pelas sonoridades de sintetizadores eletrônicos e das criações de Vangelis, Jean Michel Jarre e Kraftwerk, se encantou pelo piano. Piano, instrumento completo que, tocado com destreza, impulsiona o sujeito para além das parcas linhas rotineiras.

No espetáculo de 14 de setembro, Corciolli expõe títulos imagéticos, instrumentais ou com letras em latim medieval e tupi-guarani, que contam histórias e conduzem a plateia por espaços quietos da alma. Artista independente, pratica múltiplos ofícios: do marketing à produção, do quê psicológico à alçada visual e gráfica. Sempre em busca da excelência sem concessões, o músico é grato por seu curso. Porém, não vê o já feito com nostalgia: “Coloco em tudo um olhar para o futuro, para os próximos 25 anos”, afirma. A bússola aponta para um alargamento de sentidos, como aquele que, em menino, Corciolli experimentou. E continua a experimentar.

Corciolli
sexta 14 setembro de 2018
às 21h
[duração aproximada: 80 minutos]

ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)

[livre para todos os públicos]

abertura da casa: 90 minutos antes do espetáculo

Os ingressos podem ser adquiridos pelo site Ingresso Rápido, em seus pontos de venda e pelo telefone 11 4003 1212. Também estão à venda na bilheteria do Auditório Ibirapuera, nos seguintes horários:
sexta e sábado das 13h às 22h
domingo das 13h às 20h

  • Dia:

    sexta 14 de setembro de 2018

  • Horários:

    às 21h | Abertura da casa: 90 minutos antes do espetáculo

  • Duração:

    80 minutos (aproximadamente)

  • Ingressos:

    R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada) | Os ingressos podem ser adquiridos a partir das 13h do dia 31 de agosto

  • Classificação Indicativa:

    livre para todos os públicos

  • bilheteria

2018 Auditório Ibirapuera - Alguns direitos reservados