Qual é o refrigerante mais vendido nos Estados Unidos?

Perguntado por: amoraes . Última atualização: 3 de fevereiro de 2023
4.2 / 5 4 votos

Coca-Cola

Segundo os dados da publicação, a Coca-Cola normal se mantém como líder nos Estados Unidos com uma fração de mercado de 17% e um total de 1,59 bilhão de engradados vendidos em 2010.

Coca-Cola

Pelo 10º ano seguido, a Coca-Cola foi a marca mais consumida do mundo, segundo o relatório Brand Footprint, da Kantar. O estudo aponta que a marca de refrigerantes foi escolhida pouco mais de 6,6 bilhões de vezes pelos consumidores no mundo todo em 2021.

Coca-Cola

Coca-Cola é a marca mais escolhida do Brasil, aponta estudo; veja o top 50. Um levantamento realizado pela Kantar, o Brand Footprint, mapeou as marcas mais escolhidas pelos brasileiros em 2021 e mostrou que Coca-Cola, Ypê e Italac marcam a liderança do gosto nacional.

Nos EUA é possível encontrar o Guaraná Antártica para venda on line em grandes redes de distribuição de produtos tais como a Amazon ou Walmart, bem como é possível encontrá-lo em prateleiras de produtos latinos (geralmente próximos de produtos mexicanos) em algumas redes de supermercados.

“O Guaraná Antarctica é um nome conhecido no Brasil, mas nos EUA somos uma marca desafiadora.

The Coca-Cola Company.

Ele é muito popular nos Estados Unidos, país em que se concentra as vendas da empresa Pepsi. Ao redor do mundo, o nome pode ser menos popular. Mesmo assim, o valor de mercado da marca é próximo de US$ 2,7 bilhões.

Em função do país em que seja fabricada e das matérias-primas usadas podem detetar-se ligeiras diferenças no sabor. Por exemplo, na Europa usa-se açúcar como edulcorante, enquanto que nos Estados Unidos se utiliza xarope de milho.

Tianfu Cola

Chongqing, 8 jan (Xinhua) -- A chinesa Tianfu Cola, que já foi o refrigerente mais vendido na China, voltará ao mercado depois de quase 20 anos, informou o produtor na quinta-feira.

Coca-Cola é o produto mais vendido na Europa. O refrigerante encabeça o ranking das cem marcas que dominam as gôndolas no continente.

Hoje, a Coca-Cola comanda 43,7% do mercado de refrigerantes carbonatados, enquanto a Pepsico tem 24,1%, de acordo. Porém, a Coca tem uma capitalização de mercado de US$ 185 bilhões, enquanto a PepsiCo chega aos US$ 188 bilhões.

Lata Coca Cola com grave erro de fabrica – US$ 281.000
Essa Coca Cola com erro de fábrica é primeira posição na seleção dos 10 refrigerantes mais caros do mundo, pois o preço é de US$ 281.000.

1772 – O químico inglês Joseph Priestley criou uma forma de gaseificar a água, injetando gás carbônico na água mineral. 1871 – Surge a indústria do refrigerante propriamente dita, nos Estados Unidos, com o lançamento do primeiro refrigerante com marca registrada, a Lemon's Superior Sparkling Ginger Ale.

Olhando para os dados nutricionais, como reporta o Independent, a Pepsi contém ligeiramente mais açúcar, calorias e cafeína do que a Coca-Cola, enquanto a segunda contém mais sódio. Isto, segundo Malcolm Gladwell, explica porque é que a apesar de a Coca-Cola ser mais popular, a Pepsi costuma ganhar nos testes de sabor.

Asa Griggs Candler

Asa Griggs Candler foi um magnata dos negócios que fez a maior parte de sua fortuna comprando a fórmula da Coca-Cola. Ele também serviu como prefeito da cidade de Atlanta, Geórgia, Estados Unidos de 1916 a 1919.

O primeiro refrigerante em latas do Brasil foi o Guaraná Skol.

Veja que de acordo com o mapa, há três maneiras de se dizer “refrigerante” no inglês americano: “pop“, “coke” e “soda“. Veja ainda que essas maneiras diferentes são características de cada região. O norte tem preferência pelo termo “pop“. Já o sul prefere “coke“.

O produto ficou conhecido como o refrigerante brasileiro e passou a ser exportado na década de 1990 para países como Portugal, Japão, China e Estados Unidos. Hoje, apenas o Guaraná Antarctica é consumido em mais de 50 países pelo mundo.

A produção nacional de guaraná ocorre em sete estados e em um total de setenta municípios, sendo que os estados da Bahia, Amazonas e Mato Grosso, representaram 93,5% da produção nacional em 2018. Existe produção também, em menor escala, em Rondônia, Pará, Acre e Santa Catarina.