sábado 4 de fevereiro de 2017

Baleia

Baleia

No dia 4 de fevereiro, o Auditório Ibirapuera recebe a banda carioca Baleia para um show que integra a turnê do seu segundo disco, Atlas. Formado por Sophia e Gabriel Vaz, Felipe Pacheco Ventura, Cairê Rego, David Rosenblit e João Pessanha, o grupo tem ganhado cada vez mais destaque no cenário da música brasileira.

A história de formação da Baleia não é das mais complexas. Alguns amigos se reúnem para tocar covers. No caminho, vão se aproximando de outras referências e compartilhando gostos particulares e descobrem uma linha autoral dentro da banda. A partir disso nasceu o Quebra Azul, o primeiro disco do grupo, lançado em 2013. As oito faixas apresentam uma diversidade relevante entre si e muitas foram desenvolvidas durante os ensaios. Letras mais e menos diretas se misturam a uma sonoridade que explora percussão, teclado e diferentes tipos de corda, como baixo, guitarra e mesmo violino.

Depois de viajar por alguns estados do país e participar de festivais grandes, como o Lollapalooza, a banda se dedicou ao Atlas, o segundo disco. Desta vez, em um momento de maior maturidade, o processo se modificou. Os irmãos Sophia e Gabriel Vaz iniciaram a criação das letras depois que as melodias estavam finalizadas. Uma das mais marcantes influências presentes no disco é o livro A Desumanização, do escritor português Valter Hugo Mãe. A atmosfera da obra habita os versos das canções e a publicação impressa, que acompanha o CD físico. Saiba mais no Álbum.

O grupo dá atenção especial também às suas produções não musicais, como clipes, cartazes e materiais visuais de diferentes tipos. Gabriel Vaz explica: “a gente entende tudo isso como um desdobramento do trabalho da banda, não como algo separado. E também como fatores que podem ajudar a trazer as pessoas mais próximas ao universo da banda. Então a questão sempre foi o porquê não usar isso a nosso favor”. Essa postura levou o livro desenvolvido pela artista Lisa Akerman, que acompanha o Atlas, a concorrer o Grammy Latino na categoria Melhor Projeto Gráfico de um Álbum.

As apresentações da Baleia, portanto, refletem uma preocupação estética particular. Iluminação, disposição de palco e as adaptações das músicas para a execução ao vivo fazem do show uma experiência diferente da audição do disco. Gabriel explica que esse processo é feito de forma mais orgânica: “nós nos demos conta de que quando você traduz as versões de estúdio paro ao vivo, existe outra linguagem e que não precisa ser tão complexa. Acabamos entrando numa postura mais relacionada ao rock nos shows porque ele tem uma potência de ser bonito, profundo e simples”.

O intuito do espetáculo do dia 4 é ser uma apresentação mais afetiva. O repertório, que conta com canções do Quebra Azul e do Atlas, contém também algumas surpresas para os fãs que acompanham a trajetória da banda. “Estamos resgatando músicas legais nossas que a gente não toca há algum tempo e algumas versões que também foram pouco apresentadas”, adianta o vocalista.

A apresentação conta com interpretação na Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Compre aqui o seu ingresso.

Os ingressos podem ser adquiridos pelo site da Ingresso Rápido, em seus pontos de venda e pelo telefone 11 4003 1212, a partir do dia 20 de janeiro.Na bilheteria do Auditório Ibirapuera, os ingressos para os shows de fevereiro poderão ser adquiridos a partir do dia 27 de janeiro, nos seguintes horários:
sexta e sábado, das 13h às 22h
domingo, das 13h às 20h

 

  • Dia:

    sábado 4 de fevereiro de 2017

  • Horários:

    às 21h

  • Duração:

    90 minutos (aproximadamente)

  • Ingressos:

    R$20 e R$10 (meia-entrada)

  • Classificação Indicativa:

    livre para todos os públicos

  • bilheteria

2017 Auditório Ibirapuera - Alguns direitos reservados